02/04/2018

Vaca explorada em fazenda é resgatada e dá à luz em liberdade


Pela primeira vez Maisie, uma vaca salva de uma fazenda de lacticínios, pode finalmente ser mãe sem ter o seu filho levado para longe de si. Antes de ser resgatada, deu à luz três vezes e em todas elas teve os seus filhos retirados e vendidos.

Felizmente, todo o sofrimento pelo qual Maisie passou tem os dias contados. Devido a problemas de saúde e idade avançada, o fazendeiro deixou de conseguir cuidar da quinta e decidiu encerrá-la. Todas as outras vacas foram vendidas num leilão à excepção de Maisie, que foi encaminhada para o Poplar Spring Animal Sanctuary.

“Maisie era especial para este agricultor, pelo que ele concordou em deixá-la viver e ir para um santuário”, escreveu Terry Cummings, fundador do refúgio para animais “de quinta” e animais selvagens. “Quando ela era jovem, pulava a cerca para o quintal do fazendeiro e brincava com os cães. Ela também adorava as pessoas e seguia-as para todo o lado.”

Foi Grace Froelich, que trabalha com a Animal Rescue, Inc. e conhece o fazendeiro, que organizou este novo capítulo na vida de Maisie, levando-a da Pennsylvannia até Maryland, onde a vaca foi recebida com alegria.

“Foi graças a esta vaca que ele [o fazendeiro] percebeu como as vacas são amigáveis e cheias de personalidade”, disse Cummings. “O fazendeiro chegou a derramar algumas lágrimas quando ela estava a ser colocada no reboque.”

Quando Maisie foi resgatada, ninguém sabia que ela estava à espera de um bebé. A maravilhosa descoberta só foi feita dois meses depois, quando a sua barriga começou a ficar proeminente. E foi precisamente na semana passada, no dia 28 de Março, que deu à luz. Justin é o mais novo elemento do santuário e é completamente inseparável da mãe.


Maisie conseguiu a liberdade e a felicidade que estão vedadas a milhões de vacas, escravas do negócio dos lacticínios e da perpetuação do consumo de leite e derivados pelos humanos. Todas essas vacas passam por um ciclo constante de impregnação, gravidez e parto, essencial para que continuem a produzir leite. Os bezerros são separados das mães com poucas horas ou dias de vida, para que não se alimentem do leite. As vacas criam laços maternais fortes assim que os seus bezerros nascem, pelo que a separação forçada constitui uma tortura psicológica que atinge tanto a mãe como o filho.

O destino dos bezerros é determinado pelo sexo. As fêmeas são exploradas como as suas mães, até colapsarem e não conseguirem produzir mais leite: aí, são abatidas e vendidas como carne barata. Os machos são vendidos para a produção de carne de vitela e deixados em estábulos muito apertados. A falta de espaço é o que torna a carne tenra e boa para ser vendida no mercado. 100% destes animais apresentam anemia, tanto pela falta do leite materno como pela fraca alimentação que lhes é dada, visto que a carne de vitela tem de ficar o mais clara possível.

A esperança média de vida de uma vaca no seu estado natural é de vinte anos. Na indústria do leite, uma vaca vive por quatro a cinco anos, autenticamente explorada e escravizada. Um bezerro do sexo masculino só tem alguns meses de vida antes de ser morto para a sua carne ser vendida.



Notícia via The Dodo
Fotografias do Poplar Spring Animal Sanctuary

6 comentários:

  1. Oh adorei conhecer um pouco mais da sua historia, não conhecia
    Beijinhos
    Novo post (Tag Irmandade Das Bloggers) // CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
  2. Olá Mel!

    Emocionei-me uma vez mais ao ler um texto teu. Eu também já me apercebi dessa faceta das vacas e sei que têm muita personalidade e sentimentos.

    É engraçado que quando era criança tinha certa fobia delas, talvez pelo seu tamanho e ruído proeminente que faziam...

    Tive duas situações engraçadas que vou partilhar contigo:

    A primeira foi quando participava numa procissão de velas (à noite) na minha freguesia dedicada a Nossa Senhora. Quando a procissão passou ao lado de um campo onde estavam vacas espalhadas, todas elas se encaminharam voluntáriamente para a beira do muro do campo muito calmamente e em fila voltadas para a estrada. Foi fantástico.

    Outra história, foi no campo por trás da minha casa por vezes andam vaquinhas em liberdade. Uma vez estava eu a olhar para elas quando uma começou a correr muito, parecia mesmo muito contente e enquanto corria fazia "fintas" tal qual um cãozinho bebé, quando passava por outras vacas...! :) Nunca vi tal. Achei fantástico também!

    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  3. Quase que chorei, porque isto é uma grande realidade nos dias que decorrem. Infelizmente as pessoas não querem saber e pensam que os animais não têm sentimentos. A escolha mais certada que fiz foi tornar-me vegetariana. Não por mim, mas sim pelos animais. Não quero continuar a dar dinheiro a estas industrias.
    Adorei conhecer esta bela história que comoveu-me <3

    Beijinhos,
    DEZASSETE

    ResponderEliminar
  4. Bolas! Não fazia ideia! :/ realmente a vida animal tem coisas maravilhosas e nós só atrapalhamos a vida e os laços destes seres! :(

    ResponderEliminar