22/05/2018

“Hoje visitei uma quinta de lacticínios”

Mentirosos! Vocês, citadinos, não sabem do que falam. Isso não acontece nas quintas produtoras de leite. Porque não vão visitar uma quinta de lacticínios e vêem o que realmente acontece?!

Hoje visitei uma quinta de lacticínios.

Testemunhei um fazendeiro a separar um bebé recém-nascido da sua mãe angustiada e a trancá-lo numa jaula, onde ele ficará cerca de 3 a 6 meses da sua vida antes de ser morto, desmembrado e devorado por humanos.

Quem é que deseja apoiar uma indústria que separa recém-nascidos das suas mães como prática padrão? E tudo isto para um produto que não é saudável, ambientalmente destrutivo e que é perfeitamente substituível por uma versão vegana que pode ser encontrada no mesmo supermercado!

Olhem para ele, a chuchar no meu polegar, ansiando pela sua mãe. Por vezes eles fazem a mesma coisa com os funcionários dos matadouros, antes de serem mortos.

Eles são tão crédulos. Tão inocentes. E traímo-los da pior forma possível.

Para eles, os humanos são o diabo.


Os veganos são acusados de forçar as suas crenças nos outros.

No entanto, o que é feito com os animais é o epítome de forçar as nossas crenças neles. Sempre que alguém compra um produto de origem animal, é isso que acontece.

Nós divulgamos o veganismo porque é a coisa certa a fazer. Se fosses esta mãe, também ficarias desesperada para que as pessoas te defendessem e ao teu bebé.

Não se aborreçam connosco por mostrarmos a verdade. Aborreçam-se com aqueles que escondem a verdade e que mentem para vocês.

Nós estamos a tentar criar um mundo onde todos sejam tratados com respeito. Por favor, não lutem contra nós. Por favor, não comprem e consumam estes produtos de abuso e de morte.


Texto e imagem: James Aspey, o activista que fez um voto de silêncio durante 365 dias pelos animais.
O bezerro da fotografia é aquele que Aspey viu a ser separado da mãe. Os machos são considerados descartáveis pela indústria do leite e acabam por ser mortos para a produção de carne de vitela. As fêmeas terão o mesmo destino que as mães.

8 comentários:

  1. Tens toda a razão e não descrimino os veganos nem nada parecido.
    Mas para mim, pessoalmente, parece-me impossível largar muita alimentação...

    Beijinhos
    www.pirilamposemarte.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É normal ser difícil, afinal são hábitos alimentares que temos desde sempre. Por isso é aconselhável mudar de alimentação de forma gradual :)

      Eliminar
    2. Mudei de um dia para o outro. Sem esforço e com 60 anos

      Eliminar
  2. É verdade! Importa mesmo que esta mensagem passe, seja divulgada.

    Existe todo o tipo de pessoas... Realmente. Mas, existe também a realidade de que aos grandes grupos e interesses monetários - a indústria agropecuária - não interessa que a mensagem passe, que o conhecimento prevaleça... Devemos sim lutar contra isso.

    Bem Haja!

    Beijinhos ❤

    ResponderEliminar
  3. Estas lutas entre quem opta pelo veganismo e quem opta por não o seguir não fazem sentido, além de nos desviarem do verdadeiro foco da questão.
    É importante defendermos as causas em que acreditamos!

    r: Persuasão é o próximo da lista, quero muito lê-lo *-*
    Pois, foi o que eu senti. A escrita é fascinante, mas acho houve partes que não precisavam de ser tão detalhadas.
    Sim, o casal Palmer é muito engraçado e acaba por fazer a componente humorística na narrativa. Concordo, ainda hoje estou para compreender aquele final :o

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O veganismo defende que os animais não devem ser usados pelos humanos. Não optar pelo veganismo ou lutar contra o mesmo é ser a favor da exploração de animais. É normal haver confusões, embora não ajudem no engajamento da causa.

      Eliminar