08/10/2018

Bielorrússia é classificada como o país mais cruel com os animais


A Bielorrússia recebeu o primeiro lugar de pior país relativamente à crueldade animal. O estudo foi conduzido pela Voiceless The Animal Protection Institute, em que os pesquisadores compilaram uma lista de 50 países que representam 80% dos animais explorados para consumo no mundo.
A Voiceless baseou-se em três aspectos para calcular o índice de crueldade animal dos países listados:

O sub-índice “Produzir Crueldade” (P) avalia os países com base no número de animais usados para consumo que são abatidos todos os anos, embora reconheça que a forma como os animais são tratados difere de país para país;

O sub-índice “Consumir Crueldade” (C) avalia os países com base no consumo de animais, combinando a proporção de proteína vegetal e proteína animal consumidas com o número de animais consumidos em cada país, numa base per capita;

O sub-índice “Sancionar a Crueldade” (S) avalia os países com base nas suas atitudes sociais e culturais em relação aos animais, conforme reflectido na qualidade das estruturas legislativas e reguladoras adoptadas para proteger os animais.

Totalizando 143 pontos, numa escala de 1 a 50 (sendo 50 a pior), a Bielorrússia atingiu os 50 na categoria Produzir Crueldade, 43 em Consumir Crueldade e 50 em Sancionar a Crueldade. Resumindo, o país apresentou um alto nível de produção animal, um alto consumo de produtos de origem animal e a ausência de praticamente qualquer lei de protecção animal. Por causa da última, a Bielorrússia recebeu um G no Índice de Protecção de Animais, que é a de pior desempenho na categoria (S). A classificação vai de A a G e a Bielorrússia foi o único país europeu da lista a ter o posição mais pobre. A seguir ficou a Rússia, com um F”, a Ucrânia e a Turquia, ambas com um E.

Nos piores lugares também estão, respectivamente, os  Estados Unidos da América (118), Venezuela (117), Rússia (115), Irão (115), Canadá (111), Austrália (109) e Brasil (106). Nos antípodas está o Quénia (27), país que produz e consome menos animais do que a média global. Quanto às leis de protecção animal recebeu um D, tido como mediano.


Portugal não está na lista... mas e se estivesse?

Tendo em conta que criamos animais para serem exportados para outros países, temos um elevado consumo de produtos de origem animal e as leis existentes só protegem animais de companhia (cuja execução das mesmas é morosa ou ineficaz), provavelmente Portugal não ficaria bem colocado. Além disso, eventos com extrema crueldade animal são legalmente permitidos, como a tauromaquia. Como se isso não bastasse, duas localidades conseguiram um regime de excepção para os touros de morte: Barrancos em 2002 e Monsaraz em 2014.

Antes dessa permissão, em Monsaraz matava-se o touro ilegalmente e, mesmo com a identificação dos infractores, nada impedia os populares de continuar com o bárbaro costume no ano seguinte. Preferir abrir uma excepção a controlar uma transgressão já é um claro indicador do menosprezo político em relação à vida, dignidade e bem-estar dos animais. Juntamente com leis de protecção animal pobremente aplicadas, é claramente óbvio que a legislação portuguesa fica mais tempo no papel e quase nunca passa para a prática, o que de certeza pesaria na avaliação do país se este tivesse marcado presença na lista.



Notícia traduzida e adaptada do Livekindly.
Imagem: Google

3 comentários:

  1. Não está na lista mas mesmo assim vê-se tanta criminalidade, um horror! Bom post <3
    Beijinhos,
    Blog An Aesthetic Alien | Instagram | Facebook
    Youtube

    ResponderEliminar
  2. Nossa que noticia mais triste,e confesso que eu não conhecia este modo de calculo do índice de crueldade animal.

    www.paginasempreto.blogspot.com.br

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Não fazia ideia desta forma de calcular a crueldade animal... Portugal, se estivesse na lista, seria mais um nos piores dos lugares, infelizmente.

    ResponderEliminar